Asterix enfrentou o vilão Coronavírus em HQ três anos antes da pandemia

25.03.2020 | 15h30 - Atualizada em: 25.03.2020 | 16h09
Por Folhapress
Asterix

BLOG

Universo Compartilhado

Curiosamente, o país em que Asterix enfrenta o vilão foi justamente a Itália, um dos mais afetados pela pandemia

Em "Asterix e a Transitálica", as estradas do Império Romano estão um caco. Trata-se do 37º livro da franquia criada por René Goscinny e Albert Uderzo, morto nesta terça (24), ao 92 anos.

Contrariado, um senador romano anuncia uma grande corrida atravessando toda a península itálica para provar que as estradas estão boas sim - e para, de quebra, desviar a atenção de sua bufonice caricata e da corrupção.

Em página especial, saiba tudo sobre coronavírus

A notícia da corrida acaba chegando à Gália e logo chama a atenção de Obelix, que convence seu amigo Asterix a participar da competição. Em Roma, a dupla se depara com o favorito da corrida, o Coronavírus.

O personagem não é resultado de um exercício de futurologia e não tem nenhuma relação com a pandemia de 2020. A edição da HQ foi lançada em 2017, quando a Itália nem sonhava em ficar de quarentena.

O antogonista utiliza uma máscara que pode ser entendida como uma coroa ("corona", em italiano), mas a escolha dos nomes dos personagens costumava ser aleatória. O sufixo "us" é de praxe na HQ, é quase sempre utilizado para denominar os romanos na franquia. A única regra é o bom humor. Daí nomes como Detritus, Trolebus --há até um chamado Antivírus. Para as mulheres romanas, valiam nomes como Mozarella.

O livro não tem edição brasileira, apenas uma em português lusitano.

Albert Uderzo morreu enquanto dormia, vítima de um ataque cardíaco, sem relação com o coronavírus, de acordo com sua família.

Depois de "Astérix e a Transitálica", foi lançada a 38ª edição da franquia, "A Filha de Vercingétorix", em outubro do ano passado na França, que trouxe, pela primeira vez, uma protagonista feminina.

Matérias Relacionadas