"Blitz: O Filme" estreia em 2020

02.01.2020 | 15h40 - Atualizada em: 03.01.2020 | 12h50
Leo Almeida
Por Leo Almeida
BLOF01divulgação

BLOG

Giramundo

2020 começa com uma boa notícia para os fãs do rock nacional. O grupo carioca Blitz, que ganhou as rádios e conquistou o Brasil nos anos de 1980 e está na estrada até hoje, acaba de ganhar um documentário assinado por Paulo Fontenelle.

Uma das maiores bandas da história do rock nacional, a Blitz, ganhou um documentário previsto para chegar em 23 de fevereiro pelo Canal Curta! Com direção de Paulo Fontenelle, "Blitz - O Filme", exibido no dia 15 de dezembro com exclusividade na 21ª edição do Festival do Rio, narra a história do surgimento do grupo e alguns momentos emblemáticos da banda carioca.

BOF02Imagem: divulgação

No início da década de 1980, no Rio de Janeiro, sete jovens fundaram uma das principais bandas do rock brasileiro, a Blitz.  Na formação original: Evandro Mesquita (guitarra e voz), Fernanda Abreu (backing vocal), Marcia Bulcão (backing vocal), Ricardo Barreto (guitarra), Antônio Pedro Fortuna (baixo) William "Billy" Forghieri (teclados) e Lobão (bateria). Até 1982, o grupo se apresentava em bares da zona sul mas com a chegada do Circo Voador, tudo mudou.

Erguida no Arpoador, em 1982, a lona do Circo Voador se tornaria a casa de inúmeros artistas. Além da Blitz, bandas como Barão Vermelho, Kid Abelha, Legião Urbana, Capital Inicial e Os Paralamas do Sucesso, se consagraram no Circo. A iniciativa partiu principalmente de jovens do grupo teatral 'Asdrúbal Trouxe o Trombone', que tinha Evandro Mesquita como um dos integrantes e a diretora de espetáculos da Blitz, a atriz Patricya Travassos. As performances no Circo eram teatrais, explosivas, interativas e conquistaram um grande público. Em julho de 1982, a repercussão do grupo chamou atenção da EMI e logo surgiu o primeiro single, “Você Não Soube Me Amar”. A canção foi lançada como trilha sonora de novela e a Blitz alcançou a fama.

Após conquistar o Brasil com um rock irreverente, principalmente nos dois primeiros discos - "As Aventuras da Blitz" e "Radioatividade", finalmente agora no documentário "Blitz: O Filme" os fãs mais antigos, e novos, poderão conhecer a história da banda e sentir a vibração dos integrantes nos palcos, além de lembrar do fenômeno que juntava multidões. Como esquecer, por exemplo, da histórica apresentação no "Rock in Rio" em 1985?

O diretor Paulo Fontenelle disse que teve a oportunidade de assistir a um show da Blitz em Cabo Frio (RJ) no Clube Tamoyo (eu também estava lá :) quando era menino e para ele, depois de tanto tempo, é uma experiência inacreditável poder estar contando a história deles no filme, que não foca só na fase áurea da banda. Em atividade e com nova formação, fazendo shows e lançando discos, a Blitz ainda continua gerando muitas histórias.

O vocalista Evandro Mesquita falou sobre seu orgulho pelo grupo estar vivo até hoje em entrevista ao jornal "O Dia": "A Blitz não descansa no passado. Nosso disco mais recente, 'Aventuras II', foi indicado ao Grammy. Somos uma coisa do presente. Temos a alegria de estarmos aí até hoje. Fizemos recentemente uma matinê na Cidade das Artes e as crianças se identificaram bastante com a sonoridade, com a brincadeira da Blitz". O diretor Paulo Fontenelle completou: "Vamos contar a história até hoje em dia. Focar essa longevidade que a Blitz tem por um filtro irreverente".

Matérias Relacionadas