Em Berlim, baladas migram para o streaming por causa do coronavírus

24.03.2020 | 10h00 - Atualizada em: 31.03.2020 | 11h45
Por Folhapress
balada

BLOG

Lounge Itapema

Entidade que reúne 190 casas noturnas está transmitindo shows ao vivo de DJs pela internet

Nada de galpões antigos ou casas nas regiões gentrificadas da cidade. A festa em Berlim, na Alemanha, a partir de agora fica por conta de cada um. Ou mais ou menos isso.

Em página especial, saiba tudo sobre coronavírus

A música continua sendo igual para todos, compartilhada por uma página na internet, a conta é paga por quem achar necessário, mas a pista de dança e o espaço para as pessoas curtirem o som se limitam às quatro paredes de seus respectivos apartamentos.

É dessa forma que a Berlin Club Comission, entidade que reúne cerca de 190 clubes, e a plataforma Reclaim Club Culture resolveram tentar manter viva a cultura noturna da capital alemã, afetada pelas restrições de circulação de pessoas adotada pelo governo do país por causa da disseminação do coronavírus.

A iniciativa batizada de United We Stream ("juntos transmitimos", em português) gerou um site que publica diariamente, das 19h até a meia noite (ou 15h às 20h, no horário de Brasília), transmissões ao vivo de DJs - cada um se apresentam cada dia em uma casa diferente da cidade, mas também há espaço para performances, debates e exibições de filmes. 

Em troca, quem entra no site pode fazer voluntariamente uma doação para um fundo que pretende ajudar nove mil trabalhadores de estabelecimentos vinculados à noite de Berlim e milhares de artistas que viram suas receitas minguarem na quarentena.

Empresário da vida noturna da capital e representante da Berlin Club Comission, Lutz Leichsenring disse que a ideia partiu de todo um time e que, até o momento, a proposta tem tido bastante êxito.

— Temos bons números. Nas primeiras 24 horas, contamos com 1 milhão de acessos. E já arrecadamos 100 mil euros (cerca de R$ 535 mil) — afirmou.

— Não temos acompanhado de onde vêm todas essas exibições, pois estamos também presentes no Facebook e Youtube. Apesar de não conseguir definir se o público se restringe à Alemanha ou não, a sensação ao ler os comentários é que temos acessos de outros países também —  continuou Leichsenring.

As transmissões tiveram início na quarta-feira (18) e devem se estender pelo menos até o dia 20 de abril, após a Páscoa, quando as restrições de circulação de pessoas no país devem ser encerradas.

— Vamos tocar pelo menos até o dia 20, quando termina a quarentena. Mas isso agora faz parte da cultura das casas noturnas. Aproveitamos essa crise para criar um canal digital, então não posso dizer que essa experiência vai acabar — disse Leichsenring.

Restrição

As casas noturnas de Berlim já haviam suspendido suas atividades na sexta-feira da semana passada, dia 13 de março, por causa da pandemia do coronavírus. Nesta semana, os governos federal e estaduais da Alemanha estabeleceram uma série de regras sobre restrições de estabelecimentos e quais podem se manter abertos ou não durante o período de isolamento.

Essas limitações determinaram a paralisação das atividades de todos bares e baladas do país. A interrupção desses locais gerou temor em trabalhadores do setor, que viram no United We Stream uma possibilidade de evitar um blackout na cena noturna da cidade.

Mas o dinheiro arrecadado não ajudará apenas o entretenimento. Do valor direcionado ao fundo, 8% deve ser destinado a uma fundação que ajuda imigrantes e refugiados que foram resgatados no mar Mediterrâneo.

A distribuição da verba também deverá ter critérios, mesmo os 92% encaminhados para artistas e trabalhadores. Para isso, a Club Commission Berlin e a Reclaim Club Culture desenvolveram um catálogo de requisitos para o resgate do fundo e formaram um júri independente, formado por seis pessoas relacionadas à vida noturna de Berlim.

No domingo (22), minutos antes da transmissão do dia começar com apresentação ao vivo da casa noturna Griessmuehle, a arrecadação chegava a pouco mais de 250 mil euros - cerca de R$ 1,25 milhão ou 25% dos 1 milhão de euros projetado para ser arrecadado até o fim da quarentena. Até lá, 30 dias de música podem animar novos apoiadores.

Matérias Relacionadas