“Na nossa juventude a gente fez coisas bem pensadas”, diz Sérgio Britto sobre a trajetória dos Titãs

03.07.2020 | 15h41 - Atualizada em: 07.07.2020 | 09h33
Por Janaína Laurindo
Repórter
Tony Bellotto, Branco Mello e Sergio Britto se revezam nos vocais neste novo trabalho

BLOG

Mundo Itapema

Banda lança nesta sexta-feira, 3, um novo EP da trilogia do projeto “Titãs Trio Acústico”

Com 38 anos de estrada, os Titãs recusam o conforto de uma estrada conhecida, se arriscam no mais recente projeto “Titãs Trio Acústico”. Nesta sexta-feira, 3, o trio Branco Mello, Sergio Britto e Tony Bellotto disponibilizam nas plataformas de streaming o segundo EP da trilogia que homenageia os 20 anos do lendário “Acústico MTV”. Se revezando nos vocais, os músicos apostam em poucos elementos nesse trabalho em que Britto assume o piano e baixo, Branco, baixo e violão, e Tony, violão, violão de 12 cordas e guitarra acústica.

— Nunca tínhamos trabalhado dessa maneira. Eu, por exemplo, nunca tinha tocado tanto piano nos arranjos de música. O Tony não cantava. Tem uma série de coisas que achamos que valeria a pena fazer um registro nesse trabalho — conta Sérgio Britto, em entrevista exclusiva para a Itapema

Segundo EP da trilogia foi divulgado nesta sexta-feira, 3Reprodução

Para este mês de julho, a banda planejava o registro do trabalho feito em estúdio no palco do Theatro Municipal de São Paulo. A nova rota foi traçada em decorrência da pandemia de coronavírus, mas com o projeto praticamente pronto pouco precisaram alterar. 

— Antes da pandemia ela já estava pronto, faltando só alguns detalhes. Como são 25 músicas, criamos uma estratégia para lançar de uma maneira que fizesse mais sentido pelo modo como as pessoas consomem música hoje em dia, que é quase exclusivamente em singles. A maioria dos lançamentos agora é assim. Então resolvemos fazer um meio termo e lançar em três doses de oito músicas.

Sérgio relembra o último trabalho da banda, anterior ao novo projeto, 12 Flores Amarelas – A Ópera Rock, álbum e DVD gravados ao vivo e lançado em 2018, onde apostaram em divulgar simultaneamente as 25 músicas inéditas, e concorda que as plataformas digitais mudaram a forma de consumir música, ao defender a divulgação fragmentada.

— Acho que esse tipo de audição que se faz nas plataformas digitais precisa de um certo tempo. Acho até bacana que seja assim. A pessoa ouve um pouco, depois fica com vontade e ouve mais e depois tem um panorama completo.

Ao se adaptar a essa nova realidade, a banda se faz presente em uma geração muito mais jovem, o que traz para banda um rejuvenescimento a cada novo lançamento. Britto sugere que esse frescor está relacionado com escolhas de uma longa estrada. 

— Acho que somos uma banda de velhos. O que eu acho é que na nossa juventude a gente fez coisas bem pensadas, então acho que elas não ficaram muito datadas, e continuam tendo esse poder afirmativo que a juventude tem — esclarece o músico, apontando que as letras das músicas também foram um diferencial.

— Vou te dar um exemplo, a questão da polícia que sempre é tão polêmica e vire e mexe tá em voga. A nossa maneira de tratar o tema é "polícia para quem precisa de polícia", e que é extremamente pertinente, mesmo para os polícias. Porque é uma crítica para a instituição que precisa ser melhorada. Apesar dela ser enfática ela é muito pertinente, o que acontece com muitas das nossas canções. E é isso, acho que as nossas músicas não ficaram datadas. Porque se a gente não é mais jovem, as nossas músicas ainda são.

A preocupação com as escolhas são da época em que ainda eram octeto, do tempo em que lançaram o single "Sonífera Ilha", em 1984, no primeiro disco da banda. Aliás, a canção foi regravada e escolhida para ser o primeiro single desse novo trabalho, que começou a ser divulgado em abril. Nem a saída de integrantes fez com que os Titãs perdessem sua essência, que pode ser agora acompanhada no “Titãs Trio Acústico”.  

— Nós três que ficamos, se você olhar esse repertório que está aí, que estamos regravando, nós somos autores dele inteiro. Com parceiros, óbvio — tem parceria com outros que já saíram da banda ou individualmente — mas mantivemos esses elementos essenciais para preservar uma banda. Sempre tivemos muitos compositores, e preservamos isso. Também sempre tivemos muitos cantores, então é talvez uma sorte. Isso talvez tenha ajudado a banda a sobreviver, esse excesso de gente que compunha e que cantava.

A formação inicial sempre foi apontada como algo incomum, em 1982, antes mesmo do lançamento do primeiro álbum eram em nove músicos, tinham seis vocalistas — Arnaldo Antunes, Branco Mello e Ciro Pessoa (falecido em maio deste ano em decorrência de complicações causadas pelo Covid-19) cantavam e faziam vocais de apoio. Sérgio Britto, Nando Reis e Paulo Miklos, além de cantarem, se revezavam entre os teclados e o baixo.

É preciso falar dos que já não estão mais no grupo para entender a importância da obra construída pelos Titãs. De alguma forma essa construção é retratada no novo clipe da música "Enquanto Houver Sol", lançado em junho, e que compõe o EP lançado nesta sexta-feira, 3, ao lado de "Marvin", "Homem Primata", "Toda Cor", "Go Back", "Bichos Escrotos", "Televisão" e "Nem Cinco Minutos Guardados". No clipe, um artesão constrói bonecos entalhados em madeira que representam Branco Mello, Sergio Britto e Tony Bellotto, que seguem levando o nome e a história do grupo. 

Outro clipe produzido para este novo trabalho, também mostra como foi a edificação dessa trajetória de sucesso. Parceiros e amigos, como Fernanda Montenegro, Rita Lee e Elza Soares, acompanham o trio em uma grande corrente construída pela música, em "Sonífera Ilha".

— Quando fomos pensar em quem chamar, embora pareça que não, porque são pessoas muito famosas, a gente pensou em pessoas que tinham a ver com a banda, com a nossa vida e com a nossa carreira. Com quem temos uma relação de amizade ou de trabalho forte. Somos amigos do Fábio Assunção. O Lulu Santos produziu o nosso primeiro disco. Os Paralamas do Sucesso, nem preciso falar, mas a gente fez disco junto, turnê junto. É como se fosse um retrato emocional de todos esses anos de carreira — finaliza Sérgio.

Matérias Relacionadas