“Evangelion”, anime clássico com ficção científica, metafísica e robôs, chega à Netflix

Por Anna Rios
O jovem Shinji (à frente) faz parte de uma equipe de adolescentes que opera robôs gigantes contra monstros colossais

BLOG

Universo Compartilhado

Serviço de streaming colocou no ar produção considerada um marco renovador da animação japonesa

Por GaúchaZH

Netflix desembarcou este mês em seu catálogo uma obra-prima da cultura pop japonesa. A série Neon Gênesis: Evangelion, exibida originalmente em 1995 e criada pelo artista Hideaki Anno, tornou-se um marco revolucionário do anime, o desenho animado japonês, com uma trama que mistura profundidade psicológica, conceitos hardcore de ficção científica e, claro, robôs contra monstros gigantes.

Com 26 episódios de menos de meia hora e dois longa-metragens adicionais que recapitulam a história e apresentam um novo sentido para seu fim, à época polêmico, Evangelion se tornou um objeto de culto tão passional que toda reexibição é um evento com direito a explosões de amor e indignação. Sem um canal de exibição regular há anos e fora do mercado doméstico de vídeo, a série chegou ao canal de streaming já provocando discussões entre os fãs. Desde questões mais específicas como a troca da música de encerramento, até problemas que apontam para uma tentativa de suavizar alguns subtons de natureza sexual que sempre foram importantes na atração.

Neon Gênesis: Evangelion é uma narrativa enganosa que seduz o espectador com uma fórmula consagrada para, de modo gradativo, ir elevando seus conceitos até se tornar uma das obras de ficção científica mais ambiciosas a surgir na cultura pop. Mas em seus primeiros episódios, a série parece se filiar ao tradicional gênero japonês “mecha”, ou seja, “humanos pilotando robôs gigantes e enfrentando monstros”.

À época, no distante ano de 2015, após um evento pós-apocalíptico que matou metade da população mundial, a Terra passa a ser invadida por monstros gigantescos chamados “anjos”. O adolescente Shinji Ikari, de 14 anos, é levado às pressas para a cidade de Neo Tóquio 3 para reencontrar o pai, que o abandonou na infância. Na verdade, o reencontro não é o motivo da viagem. O pai de Shinji agora comanda a Nerv, uma força de elite que responde à ameaça com os Evangelions (ou simplesmente EVAs), robôs controlados por pilotos adolescentes que sincronizam seus sistemas nervosos com os das gigantescas armaduras.

Como a jovem Rei Ayanami, a piloto original, está incapacitada devido a um acidente, o pai de Shinji exige que o jovem assuma uma das unidades e enfrente a ameaça mesmo sem treinamento algum. Contra todas as expectativas, Shinji derrota o Anjo, mas já no decorrer da luta alguns mistérios são levantados. O principal deles é sobre a verdadeira natureza das unidades mecanizadas. 

Evolução

Um dos motivos para Evangelion ser um marco é a forma gradual como insere detalhes e novas camadas à grande trama principal mesmo seguindo um padrão aparentemente repetitivo. 

A cada episódio, um novo e diferente Anjo aparece, apresentando uma dificuldade adicional se comparado com o anterior. Cada nova luta revela outros detalhes sobre os planos do misterioso pai de Shinji e sobre o grupo de figuras poderosas por trás do Nerv. À medida que a narrativa progride, fica claro que tudo se interliga ao passado de Shinji e seu rico conjunto de personagens secundários, como a dinâmica tutora Misato Katsuragi, as colegas pilotos Rei e Asuka Langley Soryu e os amigos de escola Toji Suzuhara e Kensuke Aida. Quando a narrativa chega em seus capítulos finais, Evangelion já deixou sua matriz de “série de robôs” para trás, tornando-se um conto metafísico sobre individualidade e identidade.

Matérias Relacionadas