Fernanda Takai apresenta novo trabalho: "Será que você vai acreditar?"; álbum foi produzindo durante a quarentena

28.07.2020 | 18h04 - Atualizada em: 28.07.2020 | 18h06
Por Janaína Laurindo
Repórter
Para este projeto Fernanda convidou duas cantoras Virginie Boutaud, ex-Metrô, e Maki Nomiya.

BLOG

Mundo Itapema

"Será que você vai acreditar?" é o novo álbum da carreira solo de Fernanda Takai. Produzido no estúdio de sua casa em Belo Horizonte, em parceria com o músico e produtor, também seu marido, John Ulhoa, o novo projeto lançado neste mês de julho, traz Fernanda em canções que apresentam um pouco de sua história com a música, a exemplo das releituras de "One Day in Your Life", sucesso de Michael Jackson e "Love is a Losing Game", de Amy Winehouse, ídolos da cantora.

Já programado para ser gravado no início deste ano, o novo trabalho ganhou adaptações e deu sentido ao que parecia incerto no início das restrições impostas pela pandemia do coronavírus. Com os cancelamos de shows, Fernanda e o marido aceleraram o processo de concretização do álbum.

— O fato da agenda de shows não acontecer acabou acelerando o processo. No limite de ficar em casa, tendo um estúdio e meu marido produzindo e também podendo tocar todos os instrumentos, acabamos botando nele o foco da vida. Para nossa mente foi muito bom ter essa ocupação, porque você ficar sem seu papel no mundo. É muito ruim, você ficar privado da coisa que você sabe fazer — conta Takai. 

 O projeto gráfico do álbum é assinado pelo artista plástico Renato Larini.Reprodução

Finalizado, "Será que você vai acreditar?" é um presente de Fernanda para o público.

— É uma forma de oferecer, para as pessoas que gosta de me ouvir, um conforto. Acho que a arte é uma válvula de escape nesse momento em que está todo mundo apreensivo e todo mundo isolado. É algo bom receber um álbum novo de quem você gosta. Eu como artista me sinto bem produzindo algo novo e dando isso para as pessoas.

"Será que você vai acreditar?"

O título do novo trabalho foi extraído da faixa de abertura, "Terra Plana", de autoria de John.

— É uma canção que questiona os tempos negacionistas, onde as pessoas relevam o que a ciência alcançou, deixando para traz alguns conceitos que são óbvios e é muito perigoso quando você começa a desacreditar na ciência e toda uma base da educação que a gente tem no mundo inteiro — explica a cantora.

"Não esqueça que é tudo ilusão, não esqueça de lavar as mãos" é outra canção do álbum que remete muito aos tempos atuais, embora tenha sido escrita há muitos anos pelo músico Nico Nicolaiewsky, morto em 2014, e amigo pessoal de Fernanda e John, a música apresenta versos que parecem ter sido escritos durante os tempos de pandemia. 

Para este projeto Fernanda convidou duas cantoras Virginie Boutaud, ex-Metrô, e Maki Nomiya, que a acompanham em "O Amor em Tempos de Cólera" e "Love Song", respectivamente.

— Na época que eu comecei a cantar a Metrô fazia muito sucesso e eu cantava as músicas dela na minha banda de colégio e ela soube disso e nos encontramos através das redes sociais. Foi super por afinidade essa parceria — lembra Fernanda sobre o dueto com Virginie. Takai completa falando que a música é mais um presente deste novo projeto:

— É uma música que tenta passar um pouco de carinho, em um tempo que é tão cheio de ódio.

Matérias Relacionadas