Globo de Ouro muda regra de votação por causa do coronavírus

27.03.2020 | 21h15 - Atualizada em: 30.03.2020 | 11h41
Por Folhapress
Globo de Ouro

BLOG

Mundo Itapema

Filmes que não foram lançados primeiro no cinema serão elegíveis ao prêmio

A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, que organiza o Globo de Ouro, anunciou nesta quinta-feira (26) uma mudança na regra de elegibilidade para o prêmio em 2021 por causa da pandemia do novo coronavírus.

Como boa parte das salas dos Estados Unidos está fechada, a associação decidiu permitir que filmes que não sejam lançados primeiro no cinema sejam elegíveis este ano. A regra é temporária e, por ora, vale até 30 de abril. As informações são do site Hollywood Reporter.

Pela primeira vez, há uma brecha na exigência tradicional das grandes premiações de que filmes estreiem obrigatoriamente no circuito de salas de cinema, no que pode ser visto como o primeiro tatear de uma mudança radical nas regras.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que concede o Oscar, sempre bateu o pé em relação a essa exigência, em confronto direto com grandes empresas de streaming como a Netflix. O Oscar ainda não se pronunciou sobre qualquer possível mudança de regras para 2021.

Com salas de cinema fechadas devido ao coronavírus, Globo de Ouro muda regra de elegibilidadeCarlos Macedo / Agencia RBS

Os organizadores do Globo de Ouro também mudaram a regra de que seus 90 membros têm de ser convidados para uma exibição especial do filme concorrente na área de Los Angeles, já que as orientações para a pandemia recomendam que se evite reuniões presenciais.

Os candidatos podem enviar links para que os votantes vejam online ou DVDs para que assistam em suas casas. Ainda não há data para o Globo de Ouro 2021, mas já estão confirmadas como apresentadoras as comediantes Tina Fey e Amy Poehler.

Por causa do coronavírus, lançamento de filmes em streaming é antecipado

"Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa" estreia nesta quinta-feira nas plataformas digitaisWarner / Divulgação

O fechamento de salas de cinema em todo o mundo, devido à pandemia do novo coronavírus, foi um baque nas receitas de estúdios, que viram os ganhos de bilheteria se reduzirem a níveis irrisórios. Enquanto exibidores tentam pensar em maneiras de contornar a crise, apelando inclusive para apoios governamentais, as distribuidoras têm recorrido a outro expediente: antecipar o lançamento online de filmes que tiveram sua carreira no cinema abreviada.

A Warner, por exemplo, adiantou a estreia de Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa, filme solo da ex-namorada do Coringa que é uma espécie de sequência de Esquadrão Suicida, para esta quinta-feira (26), no Google Play e AppleTV. O filme estreou no Brasil em 6 de fevereiro e, cerca de 40 dias depois, os governos estaduais começaram a recomendar o fechamento das salas de cinema, encurtando a vida útil do blockbuster da DC Comics.

Nos Estados Unidos, onde o filme fazia uma bilheteria considerada decepcionante para o tamanho do investimento do estúdio, Aves de Rapina também teve sua estreia antecipada no streaming. A diretora Cathy Yan disse ao The New York Times que não se opôs à ideia, ainda que tenha ressaltado que a experiência na sala de cinema é sempre melhor.

Outro filme que teve sua estreia antecipada nas redes foi Você Não Estava Aqui, de Ken Loach, distribuído no Brasil pela Vitrine. O cinéfilo em quarentena poderá ver o filme, que competiu ao Festival de Cannes no ano passado, a partir de 1º de abril nas plataformas Net Now, iTunes, Vivo Play, Google Play e YouTube Premium. Tendo estreado em 27 de fevereiro, o longa sobre a "uberização" de uma família de trabalhadores teve pouco mais de duas semanas de carreira no circuito brasileiro.

Na indústria americana, a Universal Pictures foi o estúdio que tomou a frente nesse tipo de iniciativa, adiantando o lançamento online de filmes que ficaram pouco tempo em cartaz, como o horror The Hunt; Emma, em adaptação da obra de Jane Austen; e O Homem Invisível, terror que estreou no Brasil em fevereiro. O braço brasileiro da distribuidora não respondeu à reportagem sobre a possibilidade de o movimento ser replicado também por aqui.

O avanço do coronavírus fez a Universal ir além e tomar uma iniciativa inusitada nos EUA: a estreia de Trolls World Tour ocorrerá no dia 10 de abril nos cinemas que estiverem abertos no país e, simultaneamente, nas plataformas de streaming.

O movimento representa a quebra de um certo tabu para os grandes estúdios cinematográficos, que sempre se mostraram resistentes à diminuição da janela entre lançamentos em cinemas físicos e online. Quem sabe o coronavírus não sirva para acelerar a mudança.

Matérias Relacionadas