"Monster", álbum que marcou um retorno às raízes do R.E.M., volta às lojas em edição comemorativa

12.11.2019 | 15h10 - Atualizada em: 12.11.2019 | 15h06
Marina Martini Lopes
Por Marina Martini Lopes
Editora
O trabalho foi uma tentativa de voltar às raízes do grupo, ao som que o R.E.M. fazia nos anos 1980

BLOG

Mundo Itapema

O disco original foi lançado em 1994; e a princípio não foi bem recebido pelos fãs

Monster, nono álbum de estúdio do R.E.M., está comemorando 25 anos de lançamento - e ganhou uma reedição de luxo remasterizada e lotada de materiais inéditos e raros. São nada menos que seis discos, que trazem, entre outros extras, 15 faixas demo; entrevistas nunca antes divulgadas; o documentário Road Movie, que cobriu a turnê do trabalho, em 1995; um show gravado em Chicago em junho do mesmo ano; e um blu-ray com videoclipes. A remixagem é assinada pelo produtor do registro original, Scott Litt; e a arte de capa foi recriada por Chris Billheimer, que também assinou toda a arte do álbum de 1994.

Monster foi composto por Michael Stipe, Bill Berry, Peter Buck e Mike Mills. Curiosamente, a princípio, o disco não foi tão bem recebido pelos fãs: até ali, o R.E.M. havia trabalhado no mainstream, com sucessos como Everybody Hurts e Losing My Religion - mas, em Monster, apresentava um som que não soava nem um pouco parecido com Automatic for the People (1992); e, na verdade, não soava parecido com nada que tocava nas rádios na época. O registro estreou em primeiro lugar na parada da Billboard, puxado pelos hits anteriores da banda; mas depois se tornou conhecido como um álbum "de lojas de usados" - ou seja, que era rapidamente vendido pelos compradores, decepcionados com o que ouviam.

Capa do relançamento de "Monster", do R.E.M.Foto: Divulgação

O trabalho foi uma tentativa de voltar às raízes do grupo, ao som que o R.E.M. fazia nos anos 1980. A banda não fazia turnês há cinco anos, e queria um som menos calmo e melancólico, mais "punk", para acompanhar sua volta aos palcos. "Nós arremessados os violões na parede", declarou Stipe na época, referindo-se aos instrumentos acústicos usados em discos anteriores. Foi só com o tempo que Monster passou a ser melhor compreendido pelo público, ganhando um status que justifica o relançamento.

Você pode comprar a versão comemorativa do disco aqui; e ouvir a reedição na íntegra no player abaixo:

Matérias Relacionadas