Paul Thomas Anderson dirige curta inspirado em disco de Thom Yorke

29.06.2019 | 12h17 - Atualizada em: 29.06.2019 | 12h18
Leonardo de Abreu
Por Leonardo de Abreu
Repórter
Foto do artista Thom Yorke

BLOG

Mundo Itapema

Lançado na última quinta (27), filme foi feito para o álbum solo do líder do Radiohead

Por GaúchaZH

LONDRES, REINO UNIDO (FOLHAPRESS) - Os estranhos cartazes espalhados por diferentes metrópoles não foi a única estratégia de promoção, por assim dizer, incomum para o disco "Anima".

Thom Yorke recorreu ao multi-premiado diretor Paul Thomas Anderson para dirigir o curta-metragem musical que leva o mesmo nome do disco e estreia nesta quinta (27) na Netflix.

Yorke e a namorada, a atriz Dajana Roncione, fazem o par romântico no filme, cuja narrativa parte do encontro dos dois em um vagão de metrô em que todos agem como sonâmbulos teleguiados.

Premiado por "Boogie Nights" (1997), "Magnolia" (1999), "There Will Be Blood", (2007), entre outros filmes, Paul Thomas Anderson tem também uma longa carreira como diretor de clipes. Em 2016, ele dirigiu Daydreaming, The Numbers e Present Tense, para o Radiohead.

Em "Anima", o coreógrafo franco-belga Damien Jalet --que já havia feito a coregrafia da refilmagem de "Suspiria", por Luca Guadagnino-- dirigiu bailarinos da Companhia Nacional de Dança da Islândia e da Opera de Gotemburgo em movimentos paranóicos para as canções "Not the News", "Traffic", "Down Chorus", certamente as mais memoráveis do novo disco.

O encontro romântico de Yorke e Roncione desafia o pessimismo e escuridão que o filme enseja.

Desde a turnê "Tomorrow's Modern Boxes", de Yorke com Nigel Godrich, no ano passado, o artista britânico vem compensando um certo vazio no palco através da associação de sua música a imagens de impacto.

Nos shows, o artista multidisciplinar Tarik Barri produzia na hora o que era projetado nos telões atrás dos músicos. "Às vezes, era só isso que se via, porque eu e Nigel estávamos no escuro. Então foi muito importante", lembra Yorke.

Desta vez, o músico deixou aflorar seu lado ator --e dançarino. Ele escala paredes inclinadas e faz movimentos dignos de um herói dos quadrinhos em busca de seu par romântico real, a italiana Roncione. "Anima" teve cenas gravadas em Praga, na República Tcheca, e em Les Baux-de-Provence, na França.

Thom Yorke fala sobre como baseou seu disco numa máquina de gravar de sonhos

LONDRES, REINO UNIDO (FOLHAPRESS) - Em milhares de cartazes e projeções espalhadas por ruas do mundo todo, a empresa de tecnologia Anima promete criar uma câmera dos sonhos, capaz de registrar aqueles momentos de liberdade total que você vive enquanto dorme, mas logo esquece ao acordar. 

O problema é que, quando você liga para o número anunciado, ouve uma voz bizarra dizer que a Anima fechou e desistiu, por ordem da Suprema Corte. Foi assim que Thom Yorke, líder da cultuada banda britânica Radiohead, promoveu na semana passada, inclusive em São Paulo, o seu terceiro disco solo.

Mesmo inspirado pela ansiedade da vida contemporânea, o álbum "Anima" revela uma face mais dançante e até mesmo otimista de Yorke, o rei da melancolia. Mais ainda, "Anima" tem como motivação o improviso e os reflexos da emergência da extrema direita no mundo. 

"Não diria que o disco é político. Mas há muita ansiedade nele e isso nasce da rotina. Entramos no metrô, no ônibus, ficamos presos no trânsito, vamos trabalhar sem saber se estaremos empregados na semana que vem. Não há segurança para a maioria de nós. Já era. E isso produz um profundo senso de ansiedade", diz ele, em entrevista num hotel de Oxford, no dia em que o presidente americano, Donald Trump, chegava a Londres para uma visita oficial.

Distopia sempre foi o combustível da obra de Yorke. Mas, desta vez, ele parece enxergar uma mudança iminente. 

"Não sei das particularidades do Brasil agora. Mas a maior parte desses caras chamados líderes da direita são palhaços. Em algum momento, as pessoas que os puseram lá vão dizer chega. O método deles vai parar de funcionar quando as promessas que fizeram se revelarem a merda que de fato são", vaticina Yorke, debatedor assíduo de política também nas redes sociais. 

"Em algum momento, esses caras que publicam essas verdades particulares, e também Twitter e Facebook, serão legalmente responsáveis por elas. Aí as coisas vão mudar. E acho que isso está mais próximo do que pensávamos." 

Entusiasmado com "Anima", Yorke tem razões artísticas de sobra para celebrar. O disco foi feito na ressaca de um bloqueio criativo. O prolífico líder do Radiohead passou dois anos sem conseguir escrever nada de novo, o que lhe rendeu uma crise de ansiedade digna dos mortais que temem pela precariedade no trabalho que Yorke comentava antes nesta conversa. 

Até que veio o convite do diretor italiano Luca Guadagnino para o músico fazer a trilha sonora de "Suspiria", clássico filme de terror de Dario Argento, que ganhou um remake no ano passado. 

"Foi um reset. Eu precisava de uma outra desculpa para fazer música, para explorar meu estúdio, pensar fora da estrutura das canções. Johnny [Greenwood, guitarrista do Radiohead e compositor experiente de trilhas de filmes] está acostumado com isso. Eu não. Fazer uma trilha de terror foi perfeito."

De "Suspiria", Yorke mergulhou nas composições de música clássica para o duo de pianistas Katia & Marielle Labèque e, em seguida, começou a trabalhar em "Anima". 

O álbum foi concebido a partir dos shows que Yorke fez no ano passado com Nigel Godrich, produtor dos discos do Radiohead desde "OK Computer", de 1997. Munidos apenas de sequenciadores e teclados, os dois lançavam bases eletrônicas e Yorke improvisava vocais durante boa parte das apresentações. 

"Era bem arriscado e assustador. Porque a gente não sabia se envolveria as pessoas ou não, porque não estavam familiarizadas com as canções. E eu amo isso. Você tem de convencer as pessoas, não pode confiar no fato de que elas sabem do que se trata." 

No palco, o líder do Radiohead abraçou a teatralidade, não muito presente em suas performances com o grupo. Ria em momentos obscuros e contradizia com gestos os versos que cantava. 

"Muito disso veio inconscientemente", lembra. "Cantores não fazem isso, porque eles precisam ser autênticos, ou qualquer merda que o valha." 

O resultado natural foi fazer um disco com o material que emergiu dos palcos. Apontada por Yorke como emblemática do processo de criação do disco, a letra da faixa "Traffic" foi composta no palco. Enquanto olhava para as caras das pessoas no público, o músico improvisava versos como "um espelho, uma esponja, um muro".

"O que funcionava, eu repetia no show seguinte", conta. 

Os riscos do improviso acabaram dando a Yorke e ao produtor Godrich uma liberdade típica dos primeiros discos, geralmente feitos quando artistas já lançaram suas canções ao público. 

"O disco é bem brincalhão. Há muita alegria, é ruidoso! Não é introvertido. Por exemplo, há uma orquestra gravada, mas não se ouve muito bem. Isso mostra como Nigel e eu somos malucos. Gastamos uma fortuna para gravar uma orquestra e mixamos num volume menor que os sintetizadores. Você não sabe que está lá. Quem mais faz isso?", pergunta, entusiasmado com a massa sonora que, paradoxalmente, desemboca num disco quase minimalista.

Mesmo bem-humorado, Yorke, que faz 51 anos em outubro, sabe que não pode deixar totalmente para trás a sua marca registrada. 

"A melancolia está presente", ressalva. Mas não consegue esconder que algo mudou. Está mais feliz? "Acho que sim." O músico retoma os shows com Nigel Godrich no dia 4 de julho, com uma apresentação em Montreux, na Suíça.

"Quero muito ir novamente à América do Sul. Tive momentos ótimos com o Radiohead por lá." Por falar na banda, Yorke confirma que prepara lançamentos especiais para a celebração em torno do álbum "Kid A", que faz 20 anos em 2020. "Mas não posso revelar ainda o que faremos."

Matérias Relacionadas