Livro sobre Iron Maiden tem cara de gigantesco e caprichado fanzine

05.01.2020 | 10h15
Anna Rios
Por Anna Rios
Banda britânica Iron Maiden faz show na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, em outubro de 2019

BLOG

Let It Rock

Na capa do volume, o subtítulo traz uma definição pretensiosa, "O definitivo e mais completo guia sobre a banda"

O Iron Maiden é mais do que uma banda de rock. É um rito de passagem na adolescência. Em algum momento da vida, entre o fundamental e o ensino médio, o grupo inglês vai ser a trilha sonora da pessoa. É fácil abordar um moleque na rua de cabelo longo, camiseta preta, calça jeans e tênis, e perguntar quais são suas preferidas do Iron Maiden. Ele vai listar várias.

Essa devoção semelhante àquela dos torcedores de times de futebol cria uma cumplicidade entre a banda e fãs, o que proporciona produtos como esse livrão simpático, 2 Minutes to Midnight: Atlas Ilustrado do Iron Maiden. Na capa do volume, o subtítulo traz uma definição pretensiosa, "O definitivo e mais completo guia sobre a banda".

Quem percorrer as 256 páginas editadas por Martin Popoff dificilmente terá alguma dúvida sobre a trajetória do grupo, provavelmente o mais famoso integrante da assim chamada Nova Onda do Heavy Metal Britânico, que estourou mundo afora a partir do fim dos anos 1970 e início dos anos 198o.

No livro de Popoff, texto e imagem têm pesos equilibrados. As informações, expostas ano a ano, são fartas, em tópicos curtos, e esses verbetes estão espalhados em páginas grandes, inundadas de fotos. Tudo fica com cara de um gigantesco e caprichado fanzine. 2 Minutes to Midnight é feito por fanáticos e destinado a fanáticos.

A linha do tempo contemplada já traz a descontração que marca todo o volume. A primeira data marcada não é a formação da banda, em dezembro de 1975, ou mesmo o nascimento de seu fundador, o baixista Steve Harris, em março de 1956. O primeiro verbete remete a 2.500 AC! Inscrições nas paredes das pirâmides egípcias desse período falam dos deuses Hórus e Osíris, que serviram de inspiração para que o vocalista Bruce Dickinson escrevesse a letra de Powerslave, canção de 1984.

Descer a esse nível de detalhe demonstra como a obra espelha a intensidade do culto dos fãs a tudo que cerca o Iron Maiden. O grupo já foi tema de várias e boas biografias, mas esse formato de relato visual agrega mais itens fundamentais para entender a carreira do grupo, porque poucos nomes do rock tiveram tanta preocupação com imagem.

O logo do grupo, imutável desde 1979, foi criado por Harris com inspiração na fonte usada no pôster do filme O Homem que Caiu na Terra (1976), com David Bowie.

No primeiro álbum, em 1980, a capa já trazia a imagem do "monstro-caveira" Eddie The Head, que se tornou o mascote oficial do grupo. Criado pelo ilustrador inglês Derek Riggs, ele passou a estampar todas as capas de álbuns e singles, além de cartazes de turnês. O livro contempla essa constante mutação visual de Eddie, com dezenas de capas.

O mascote passou a invadir os palcos nas turnês. No início, era um bonecão meio tosco, mas a evolução tecnológica foi tornando as inserções de Eddie nos shows mais atraentes. E os cenários também ficaram mais impactantes, puxados pela temática das letras de Dickinson, um historiador, que engloba desde o Egito antigo e a colonização da América até as Grandes Guerras e viagens espaciais.

Além das mudanças visuais, o livro trata das alterações da formação da banda. Guitarristas entraram, saíram e até voltaram ao grupo, mas para os fãs o destaque é a troca de vocalistas. Nos dois primeiros discos, até 1981, quem cantava era Paul Di'Anno. No terceiro, o consagrador The Number of the Beast (1982), Bruce Dickinson assumiu os vocais.

Quando ele deixou o Maiden para carreira solo, o décimo álbum da banda, The X Factor, de 1995, trouxe o cantor Blaze Bayley, que teve vida dura na função. Criticado demais pelos fãs, Bayley gravou apenas dois discos. Em 2000, Dickinson voltou ao grupo, para o álbum Brave New World.

A publicação do livro no Brasil é muito pertinente, porque o Iron Maiden tem uma relação fortíssima com o público do país desde sua primeira vinda, no pioneiro Rock in Rio de 1985. De lá para cá, os brasileiros já assistiram a 40 shows do grupo, os últimos no ano passado, quando o Iron Maiden retornou ao festival no Rio de Janeiro e passeou por várias cidades, incluindo Porto Alegre. Leitores não devem faltar para 2 Minutes to Midnight.

Capa de novo livro sobre o Iron MaidenFoto: Divulgação

2 Minutes to Midnight: Atlas Ilustrado do Iron Maiden

  • Preço: R$ 189
  • Pág. 256
  • Autor: Martin Popoff, com tradução de Renato Villegas e Ananda Alves
  • Editora: Valentina
  • Avaliação: Excelente

*por GaúchaZH

Matérias Relacionadas