Na onda de "O Irlandês", confira 10 grandes filmes de Martin Scorsese

29.11.2019 | 11h19 - Atualizada em: 29.11.2019 | 13h52
Anna Rios
Por Anna Rios
O cineasta norte-americano Martin Scorsese recebendo o Oscar de melhor diretor por "Os Infiltrados"

BLOG

Universo Compartilhado

Novo longa do cineasta chegou à Netflix na última quarta-feira (27)

Quem perdeu a breve passagem do filme pelos cinemas (estratégia para se credenciar à disputa do Oscar 2020), já pode assistir a O Irlandês na Netflix. O novo filme do diretor americano Martin Scorsese entrou no catálogo da plataforma de streaming na madrugada desta quarta-feira (27) . O filme entra para a longa galeria de grandes títulos assinados pelo cineasta de 77 anos, que lançou sua primeira obra, Quem Bate à Minha Porta?,  em 1968. Ao longo deste meio século, Scorsese assegurou seu nome  entre os grandes realizadores da história do cinema assinando obra de ficção e documentários. 

Abaixo, o editor do Segundo Caderno Marcelo Perrone destaca 10 filmes emblemáticos Scorsese — sem contar O Irlandês, que já está entre seus melhores trabalhos:

Os Infiltrados (2006)

Com Leonardo DiCaprio, Matt Damon e Jack Nicholson. Os quatro Oscar conquistados por esse remake de um filme de Honk Kong, incluindo os de melhor filme e direção, deveriam ter vindo antes para Scorsese. Mas foi justo o reconhecimento a essa incursão do cineasta no universo mafioso de Boston, acompanhando o tenso jogo de gato e rato entre um policial a serviço de um chefão do crime e um tira infiltrado no bando criminoso, um tentando descobrir a identidade do outro. Policial, EUA/ Hong Kong, 2006, 149min.  

"Os Infiltrados" conquistou as estatuetas de melhor filme, diretor, roteiro adaptado e montagem no Oscar de 2007Foto: Divulgação

Gangues de Nova York (2002)

Com Leonardo DiCaprio e Daniel Day-Lewis. Scorsese destaca, nessa trama ambientada na Nova York do século 19, a gênese da violência que matizou alguns de seus filmes clássicos ali localizados, como Caminhos Perigosos e Os Bons Companheiros. A trama acompanha a sangrenta disputa por território entre os chamados “nativos” e os imigrantes que chegam aos milhares, sobretudo da Irlanda. Drama, EUA, 2002, 167min.  

Leonardo DiCaprio protagoniza inúmeros filmes do diretorFoto: Divulgação

A Invenção de Hugo Cabret (2011)

Com Asa Butterfield e Ben Kingsley. O cineasta cinéfilo Scorsese presta um tributo ao pioneiro na arte de entreter e iludir com as imagens em movimento: o francês Georges Méliès. Na Paris dos anos 1930, menino órfão que vive numa estação de trem faz amizade com amargurado senhor que conserta brinquedos e mantém seu passado envolto em mistério. Drama/Fantasia, EUA, 2011, 128min.

Asa Butterfield e Chloë Grace Moretz na fábula de Scorsese sobre história do cinemaFoto: Divulgação

Os Bons Companheiros (1990)

Com Ray Liotta, Robert De Niro e Joe Pesci. Neste obra-prima que é um dos melhores filmes de gângsteres já feitos, Scorsese ilumina o baixo clero da máfia e o poder de sedução que a estilosa vida de gângster tem sobre os jovens que entram nesse violento caminho. Um deles, personagem real, é o narrador da história. Policial, EUA, 1990, 146min. 

Robert De Niro, Joseph D'Onofrio e Christopher Serrone em "Os Bons Companheiros" (1990)Foto: Divulgação

A Última Tentação de Cristo (1988)

Com Willem Dafoe. Provocou polêmica à época de seu lançamento esta adaptação de Scorsese para o romance de Nikos Kazantzakis, com roteiro do bamba Paul Schrader. A (exagerada) controvérsia em torno deste filmaço se deu pela prospecção que vislumbra como seria Jesus Cristo seguindo sua vida como um homem comum, ao lado de Maria Madalena. Drama, EUA, 1988, 164min. 

Polêmico longa trouxe Willem Dafoe no papel de JesusFoto: Divulgação

Depois de Horas (1985)

Com Griffin Dunne. A Nova York que o diretor tanto reverencia surge aqui numa espécie de lado B daquela vista em filmes como Taxi Driver e Os Bons Companheiros. Em vez de marginais, prostitutas e degenerados, surgem personagens exóticos que circulam pela madrugada e cruzam com o protagonista, sujeito que só queria se dar bem com uma garota mas acaba varando a noite num bizarro pesadelo acordado. Comédia, EUA, 1985, 97min. 

Griffin Dunne e Catherine OHara na comédia "Depois de Horas"Foto: Divulgação

O Rei da Comédia (1982)

Com Robert De Niro e Jerry Lewis. Nesse embate entre dois atores gigantes, destaque para a presença de Lewis, que, naquele começo dos 1980, voltava a aparecer no cinema após 10 anos de ausência. Com um tom de humor amargo, o filme mostra a busca obsessiva pela fama de um tipo perturbado (De Niro), que aspira ser comediante. Para isso, ele sequestra um famoso apresentador de TV (Lewis), exigindo deste uma participação em seu programa. O recente Coringa presta seus tributo a esse belo filme.  Comédia dramática, EUA, 1982, 109min.  

Robert De Niro vive um aspirante a comedianteFoto: Divulgação

Touro Indomável (1980)

Com Robert De Niro, que insistiu por anos para o amigo Scorsese dirigir a história de ascensão e queda do boxeador ítalo-americano Jake La Motta. O cineasta resistia, por não gostar de boxe e achar que os melhores filmes sobre o tema já haviam sido feitos. De Niro venceu pela insistência e encarnou o protagonista com uma entrega apaixonada e comovente, reconhecida com o Oscar de melhor ator. A fotografia em preto e branco de Michael Chapman torna ainda mais impactante o conjunto. Drama, EUA, 1980, 128min.

"Touro Indomável" também conquistou o Oscar de melhor montagemFoto: Divulgação

Taxi Driver (1976)

Com Robert De Niro. Em uma das mais impressionantes performances de sua carreira, De Niro criou um personagem antológico. Travis Bickle, veterano da Guerra do Vietnã, dirige seu táxi por uma Nova York degradada e violenta. A inabilidade dele em se relacionar afetiva e socialmente e seu desejo de limpar a cidade do que chama de "escória" conduzem essa obra-prima por uma espiral de crescente violência. Drama, EUA, 1976, 114min.

"Taxi Driver" traz uma das mais impressionantes performances de Robert De NiroFoto: Divulgação

Caminhos Perigosos (1973)

Com Robert De Niro e Harvey Keitel. No terceiro longa de Scorsese — seu primeiro com maior repercussão —, o diretor apresenta temas, rostos e cenários recorrentes em sua filmografia. Na região ítalo-americana de Nova-York, gângster (Keitel) segue sua vocação criminosa consumido por um fervor religioso. Já seu melhor amigo (De Niro) entra na mira do capo local por conta de suas dívidas e de seu comportamento irresponsável. Drama, EUA, 1973, 110min.

Robert de Niro (E) e Harvey Keitel no terceiro longa de ScorseseFoto: Divulgação

Bônus

O Último Concerto de Rock (1978)

Era pra ser o registro informal do show de despedida da The Band, grupo canadense de folk rock que por alguns anos acompanhou Bob Dylan, mas Scorsese percebeu que algo mágico estava prestes a ocorrer e decidiu investir em um projeto para o cinema. Ele tinha razão. Além de a banda passar em revista sucessos como The Weight, da trilha do filme Sem Destino, recebeu no palco convidados como Eric Clapton, Neil Young, Joni Mitchell, Van Morrison, Ringo Starr e o próprio Dylan. Scorsese complementou o material com entrevistas com os músicos filmadas um ano depois do show, quando eles mal se falavam. Robbie Robertson, guitarrista e vocalista da The Band, tornou-se amigo e colaborador do cineasta nas trilhas de filmes como, entre outros, o Rei da Comédia, Cassino e Gangues de Nova YorkDocumentário, EUA, 1978, 117min.

Bob Dylan, Neil Diamond, Robbie Robertson, Rick Danko, Dr. John, Joni Mitchell, Van Morrison e Neil YoungFoto: Divulgação

Matérias Relacionadas