O processo criativo da dupla belga Balthazar

14.02.2020 | 17h44 - Atualizada em: 14.02.2020 | 18h16
Leo Almeida
Por Leo Almeida
BTZ01divulgação

BLOG

Giramundo

Quase doze meses depois de seu último álbum, "Fever", a dupla belga Balthazar compartilhou uma nova faixa no início deste mês.

O novo single 'Halfway' foi escrito na estrada durante 2019 e, como o nome sugere, a música é vista como uma ponte entre o álbum "Fever" e seu esperado sucessor. O último registo do duo ainda não tem nem um ano de existência, porém os Balthazar provam para seus fãs que mesmo em turnê eles estão criativamente ativos.

BTZ02Imagem: divulgação

A faixa 'Halfway', que estreia em breve no Lounge itapema, parece ser o primeiro vislumbre do próximo álbum, ainda sem título e data de lançamento. A música foi compartilhada esta semana por Jinte Deprez e Maarten Devoldere, as duas mentes do projeto Balthazar.

Mais uma vez o duo surpreende nesta composição com uma pegada soul muito própria, temperada pela velha escola R&B. A torcida dos fãs é que os músicos mantenham no novo álbum a mesma assinatura que os consagraram e apresentem um trabalho tão bom quanto fizeram no ano passado.

O álbum "Fever" chegou no início de 2019 após um hiato bem resolvido entre a dupla, uma pausa necessária onde Jinte Deprez e Maarten Devoldere perseguiram diferentes interesses individuais, tanto em perspectiva pessoal quanto criativa. Esta busca por espaço levou o Balthazar a criar seu álbum mais coeso até hoje.

Durante o hiato, Devoldere lançou dois álbuns de art-jazz exuberantes e sombrios ao assinar como Warhaus. Enquanto isso, o melhor amigo desde a escola, Deprez, permaneceu em casa imerso no estúdio, satisfazendo seu amor pelo R&B, o que resultou no lançando de um disco solo sob o pseudônimo de J. Bernardt.

BTZ03Imagem: divulgação

A liberdade de realizar as vontades de cada um e o resultado desses lançamentos solo renovaram o desejo da dupla de escrever juntos novamente, impulsionados por um horizonte artístico mais amplo.

Ao reconstituir o Balthazar em 2018, os músicos não tinham planos, apenas a missão de melhorar os trabalhos anteriores e de aprofundar a história da banda. Ambos os compositores concordaram com uma visão menos séria, inclinada para um som revigorado. "Fever" nasceu de novas ideias, de um trabalho menos melancólico, focado em manter a capacidade criativa infalível da dupla.

Matérias Relacionadas