Pensando Sobre Games: Sonic, meu herói de infância

15.07.2021 | 08h20
Joana Caldas
Por Joana Caldas
Sonic

BLOG

Universo Compartilhado

O porco-espinho azul faz 30 anos em 2021. Viva!

Pense: de qual personagem você mais gostava quando era criança? Quem lhe inspirava, quem você achava o máximo das virtudes? No meu caso, é o Sonic. Em 23 de junho de 1991, saía o jogo de plataforma do porco-espinho para o Mega Drive. E eu fiquei encantada.

Eu tinha 5 anos em 1991 e o Sonic foi meu quarto jogo do console. E o que o porco-espinho trouxe de legal para o mundo dos videogames? Os gráficos são lindos, a música é boa demais, o Sonic é um fofo e a velocidade... é o que tem de mais legal!

Sonic 3Sonic 3

Não sou tão fã do primeiro jogo. Era difícil para mim. Aliás, é até hoje, só consegui chegar ao final salvando no meio da jogatina, o que é permitido na coleção de jogos do Mega Drive para Playstation 3, por exemplo. Perder todas as vidas e começar tudo de novo nem sempre é legal para um adulto que não tem lá tanto tempo pra jogar.

Mas foi no Sonic 2 que o personagem me conquistou. Muito mais colorido, com mais fases e, principalmente, com a adição do fofíssimo ajudante Tails, a raposa com duas caudas. Este título tem fãs até hoje e há que defenda que este é o melhor game do azulão.

A velocidade no Sonic 2 é o destaque. Se no primeiro jogo havia muitos obstáculos em que você precisava ir mais devagar para passar, aqui o lance é correr o quanto der e desviar no último segundo. Divertido demais.

Os games do Sonic são uma grande influência para a minha vida como jogadora. Até hoje gosto de jogos rápidos.

Sonic ManiaSonic Mania

Quando era criança, via o herói azulão como alguém destemido, disposto a se colocar em risco para salvar os amigos. Tudo porque o semblante do Sonic sempre foi meio sério. Incrível como as crianças conseguem criar toda uma personalidade em cima de lindos pixels. E a imaginação não parava por aí: gostava de correr por jardins e ruas de Floripa junto com dois amigos, fingindo sermos o Sonic, o Tails e o Knuckles.

Eu ainda tinha um monte de tralha do herói: camisa, chinelo, bota, tênis, bonecos de vários tamanhos, quadrinhos, bicho de pelúcia. Aliás este último ainda tenho e considero como item de colecionador.

A Sega, empresa que criou o personagem, nem sempre soube o que fazer com ele. Aliás eu, como fã bem chata, acho que raramente ela tomou boas decisões após Sonic & Knuckles, ainda no Mega Drive. O Sonic 3D Blast, uma tentativa de fazer um jogo em três dimensões, mas bem lento, eu não curti muito.

Também não gosto de Sonic falando, Sonic interagindo com seres humanos, Sonic virando lobisomem, Sonic com espada, Sonic de cachecol... a Sega realmente atirou para todos os lados.

Se você me perguntar, o Sonic tem seis jogos: o 1, o 2, o 3, o Knuckles, o CD e o Mania. Difícil dizer qual o melhor (diria que o meu menos favorito é o CD). Mas o Mania consegue capturar tudo de melhor dos games do azulão. Acho imperdível e considero o meu segundo jogo favorito (depois do Zelda Breath of the Wild).

Neste aniversário de 30 anos, desejo ao Sonic que ele continue destemido, não tenha medo nem mesmo das maluquices da Sega. E que venha o Sonic Mania 2!

Matérias Relacionadas