Simba é Kimba? Por que "O Rei Leão" é acusado de plagiar animação japonesa

26.07.2019 | 17h45 - Atualizada em: 27.07.2019 | 11h13
Anna Rios
Por Anna Rios
História do leãozinho que perde o pai fez o sucesso de "O Rei Leão", acusado de plagiar mangá japonês

BLOG

Universo Compartilhado

Lançada na última semana, adaptação para live-action trouxe à tona uma antiga polêmica envolvendo a clássica produção da Disney

Por GaúchaZH

Adaptação em versão real do clássico da Disney de 1994, O Rei Leão estreou na última quinta-feira (18) trazendo de volta uma antiga polêmica. Personagens e elementos da história da animação lançada há 25 anos são bastante similares a um mangá e série de animação japonesa chamada Kimba, o Leão Branco.

Ao chegar aos cinemas nos anos 1990O Rei Leão carregava o título de ser o primeiro filme de animação original da Disney, ao contrário de suas produções anteriores - adaptações de contos de fadas ou da literatura. A empresa descrevia o projeto como uma história desenvolvida por mais de quatro anos. Ok, na trama há muitos elementos de Hamlet, de William Shakespeare, mas, em tese, tratava-se de um material original. No entanto, na mesma época em que a saga de Simba chegou aos cinemas, acusações de plágio foram levantadas pela imprensa e pelo público que já estava familiarizado com o anime Kimba, o Leão Branco, de 1966. Criado por Osamu Tezuka (também responsável pelo sucesso Astro Boy), a produção adaptava o mangá lançado nos anos 1950, intitulado O Imperador da Selva.

Na trama japonesa, o jovem leão Leo perde seu pai, que é morto por caçadores, e sua mãe é levada para um navio. Prestes a se separarem, a leoa pede a Leo que ele volte à África com o intuito de reaver o trono de seu pai. 

Conhecido como "pai do mangá moderno", Tezuka é um dos autores mais populares do Japão. No país, suas obras são tratadas como se fossem patrimônio cultural. Ele morreu em 1989, mesmo período em que a Disney começou a trabalhar em O Rei Leão

Afinal, em quais aspectos a produção da Disney se assemelha à série japonesa? Vamos lá. 

Nome

O nome original do personagem do mangá e animação japonesa é Leo. No entanto, quando a produção chegou ao Ocidente, Leo já era uma marca registrada do estúdio MGM (sabe aquele leão que aparece rugindo antes de iniciar alguns filmes clássicos? Então). Os produtores escolheram "Kimba" por ser próximo da palavra do idioma suaíli que significa "leão" – no caso, Simba.

Cenas e personagens

Quando O Rei Leão da Disney foi lançado, um crítico americano especialista em mangá jogou mais lenha na fogueira do suposto plágio observando que a cena em que Simba conversa com Mufasa, já morto e em forma de espírito que surge entre as nuvens, é tão semelhante com uma cena do mangá que não poderia ser apenas uma mera coincidência. Os Simpsons entrou na polêmica e colocou Lisa conversando com diversas personalidades mortas que aparecem nas nuvens - entre elas, o leão Mufasa, que olha para a pequena e diz:

— You must avenge my death, Kimba... dah, I mean Simba (Você deve vingar minha morte, Kimba... ops, eu quis dizer, Simba). 

Além da similaridade entre Kimba e Simba, a produção da Disney e o mangá japonês têm outros personagens em comum. Na história americana o vilão é Scar, tio do personagem principal, que deseja ele mesmo tornar-se o rei da selva. Scar tem uma juba negra e uma cicatriz no olho esquerdo - assim como Claw, o vilão da história japonesa, que exibe a mesma marca no olho e a mesma cabeleira. 

Scar, da Disney, e Claw, do mangá japonês: os vilões das históriasFoto: Divulgação

Mas há outras cenas e personagens similares, como o babuíno que em O Rei Leão é o sábio da floresta, os animais partindo em fuga, imagens da vida selvagem e a majestosa cena em que o rei leão - americano ou japonês, Simba ou Kimba - estufa o peito e, magnânimo, observa o reino do alto de um montanha. 

Comentários

Com o burburinho aumentando, alguns nomes envolvidos com O Rei Leão tiveram de se pronunciar. Diretor da animação de 1994, Rob Minkoff garantiu que não conhecia a série japonesa e somente soube das supostas semelhanças quando viajou ao Japão para promover o filme da Disney.

Lá no país de Kimba, a recepção à produção americana não foi das melhores. Uma autora de mangá chamada Machiko Satonaka chegou a lançar uma carta aberta pedindo que os americanos ao menos colocassem um aviso no começo de O Rei Leão informando que a história era uma homenagem a Osamu Tezuka, cujas obras são consideradas patrimônio artístico no país oriental. 

Dublador de Simba, o ator Matthew Broderick acabou dando com a língua nos dentes: confessou que, quando aceitou o projeto, pensou que fosse para dublar Kimba, o leão branco cuja história acompanhava quando era pequeno. E assim, a polêmica seguiu ao longo dos anos.

Matérias Relacionadas