Wilco tenta encontrar luz nas trevas com o álbum "Ode to Joy"

18.10.2019 | 08h30 - Atualizada em: 18.10.2019 | 08h26
Marina Martini Lopes
Por Marina Martini Lopes
Editora
De modo geral, o novo trabalho do Wilco tem recebido elogios da crítica e dos fãs

BLOG

Mundo Itapema

Elogiado pela crítica, o novo disco da banda vem sendo comparado a "Yankee Hotel Foxtrot", de 2002

Jeff Tweedy, frontman do Wilco, esteve ocupado desde o lançamento do álbum Schmilco, de 2016: ele lançou nada menos que três discos solo, colaborações com artistas como Norah Jones, e até mesmo uma autobiografia. Mas a criatividade de Tweedy não acabou: no começo de outubro, ele, agora ao lado da Wilco, lançou Ode to Joy, trabalho onde todas as músicas levam sua assinatura na composição. O registro é o 11º na discografia da banda.

Capa do disco "Ode to Joy"Foto: Divulgação

Apesar do título (algo como "ode à alegria"), o novo álbum começa sombrio, com violões e uma bateria que se destaca, soando quase militar - mas vai se tornando mais leve conforme canções como Bright Leaves, Before Us e One and a Half Stars dão espaço para faixas como Everyone Hides, Love is Everywhere (Beware) e Hold Me Anyway, definitivamente mais "para cima". A guitarra de Nels Cline toma conta em We Were Lucky, lembrando At Least That's What You Said, momento do disco A Ghost Is Born, de 2004. Mesmo assim, a "ode à alegria" proposta pelos músicos não é óbvia: é preciso procurar um pouco para encontrar feixes de luz na escuridão das canções.

De modo geral, o trabalho tem recebido elogios da crítica e dos fãs - bem mais que seu antecessor, que não teve uma recepção tão entusiasmada. Ode to Joy vem sendo comparado a Yankee Hotel Foxtrot, de 2002, considerado por muitos o ponto alto na carreira do Wilco - e ambos são reflexões a respeito de tempos turbulentos: o mais antigo, tratando do clima nos Estados Unidos após o 11 de setembro; o mais recente, pensando a rivalidade política e social em que o país mergulhou após a eleição de Donald Trump.

No fim da autobiografia Let's Go (So We Can Get Back), Tweedy afirma que mudou seu ponto de vista sobre como deve, idealmente, compor uma música: se antes ele tentava "fingir que ninguém mais vai ouvir", ninguém além dele mesmo, agora ele tenta dizer "exatamente o que gostaria de dizer diretamente a alguém". Esse parece ser o espírito que inspirou Ode to Joy.

Confira a tracklist completa - e ouça o conteúdo mais abaixo:

Bright Leaves
Before Us
One and a Half Stars
Quiet Amplifier
Everyone Hides
White Wooden Cross
Citizens
We Were Lucky
Love Is Everywhere (Beware)
Hold Me Anyway
An Empty Corner

Matérias Relacionadas