Filme O Poço é o novo fenômeno da Netflix

24.03.2020 | 15h05 - Atualizada em: 26.03.2020 | 09h20
Leonardo Souza
Por Leonardo Souza
Op01Divulgação

BLOG

Universo Compartilhado

"O Poço" é sobretudo oportuno, uma declaração terrível de privilégio e ganância.

A produção espanhola "El Hoyo", ou "The Platform" (título em inglês), suspense distópico dirigido por Galder Gaztelu–Urrutia, disponível na Netflix, parece perturbador em um nível fundamental. Encarceramento em massa, um sistema de classes representado por uma vertical que literalmente coloca os ricos (contextualmente falando) acima dos pobres, os piores impulsos da natureza humana como abandonar as pessoas a serviço de suas próprias necessidades, são coisas que mesmo abordadas com elementos de horror, tem muito mais a dizer do que apenas assustar.

A mensagem intencional, sobre o desequilíbrio de um sistema em que um pequeno grupo de pessoas tem acesso irrestrito à riqueza e ao poder, e a capacidade de negar casualmente até ferramentas básicas de sobrevivência às pessoas abaixo delas, ainda é alta e clara. Mas na era dos coronavírus, onde um número crescente de cidadãos está sendo solicitado ou ordenado a se isolar em suas casas para diminuir a curva de uma pandemia, a claustrofobia de "O Poço" e a paranóia justificada podem parecer assuntos tão urgentes quanto sua real mensagem social.

OP02Imagem: Divulgação

O filme é centrado em um grupo de reclusos encarcerados em uma prisão vertical, com muitos níveis. Cada prisioneiro recebe uma porção diária de alimento por meio de uma plataforma carregada com um verdadeiro banquete que parte do topo e depois desce lentamente para o fundo - com os que estão nos níveis mais altos comendo tanto que, quando a plataforma atinge os níveis mais baixos, não sobra nada. As pessoas são alojadas em dois a cada nível e transferidas para um novo andar todos os meses. Os prisioneiros podem trazer um item para a instalação com eles - alguns trazem armas e outros preferem animais de estimação ou livros. 

Depois de quase ser morto e comido por seu companheiro de cela desesperado, enquanto estão no nível 171, um preso chamado Goreng tenta equilibrar as probabilidades, mas logo descobre que há mais no sistema prisional do que aparenta. Com mensagens sobre ganância e privilégio, "O Poço" é oportuno, relevante e perturbador ao mesmo tempo, razões pelas quais você deve assistir a esse suspense espanhol o mais rápido possível.

Assim como outros filmes distópicos, o sucesso de "O Poço" se baseia apenas em seu conceito mas não há como negar a jogada de mestre em incluir flashbacks da entrevista de admissão de Goreng para explicar como a prisão funciona e também nos dar uma visão da psique do personagem, que voluntariamente entrou no estabelecimento para "parar de fumar" e ler 'Don Quixote'.

O filme faz um excelente trabalho em fornecer aos espectadores uma experiência inesquecível e reflexiva, resultando em revelações de cair o queixo, enquanto faz o mundo da prisão parecer assustadoramente realista.

Matérias Relacionadas